30/01/2018 10:45:31 - Atualizado  em 30/01/2018 12:09:00

A+ A-

Sobe para nove o número de mortes por febre amarela no Estado

  Divulgação Supcom

Os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é transmitida através da picada de mosquitos.

Os números de casos de febre amarela continuam subindo no Estado do Rio. Nesta segunda-feira, (29/01), a secretaria de Saúde divulgou o novo boletim epidemiológico e confirmaram 27 casos da doença, entre eles nove mortos — o último registro indicava 26 casos e oito mortes. 

O município de Cantagalo, na Região Serrana, registrou o primeiro caso, e Rio das Flores, também na Região Serrana do Rio, contabiliza agora uma morte.

Os outros casos confirmados da doença são registrados em Teresópolis (quatro casos, sendo duas mortes), Valença (13 casos e quatro mortes), Nova Friburgo (um caso e uma morte), Miguel Pereira (um caso e uma morte), Petrópolis (um caso), Duas Barras (dois casos), Vassouras (um caso) e também em Sumidouro (dois casos). Todos os municípios estão localizados no interior do estado ou na Região Serrana Fluminense.

No último sábado, cerca de 500 mil pessoas foram vacinadas em 92 municípios do Rio de Janeiro. No Dia D de imunização contra a doença, um mutirão da secretaria estadual de Saúde ocupou unidades municipais, batalhões da polícia e quarteis dos bombeiros, além de outros pontos extras. A expectativa inicial era de atender 600 mil pessoas. A campanha segue em todo o estado, visando à imunização de toda a população do Rio.

A secretaria ressalta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é transmitida através da picada de mosquitos.

Segundo a pasta, ao encontrar macacos mortos ou doentes (com comportamento anormal, afastado do grupo ou com movimentos lentos), é preciso informar às secretarias de Saúde do município ou do Estado do Rio. Para ajudar nessa campanha, o Linha Verde, programa do Disque-Denúncia para crimes ambientais, realiza uma campanha contra o ataque a macacos.

Em Minas Gerais, o número de mortes em decorrência de febre amarela registradas desde julho do ano passado pode chegar a 30. Apesar do último balanço da secretaria estadual de Saúde ter informado 25 mortes, outras cinco mortes foram confirmadas por prefeituras, sendo duas em Brumadinho, uma em Belo Horizonte, uma em Juiz de Fora e uma registrada em Alvinópolis, esta de de um homem de 67 anos, nesta segunda-feira.

Já em São Paulo, o número de mortes por febre amarela silvestre subiu para 52 desde janeiro do ano passado, segundo o novo balanço divulgado pela secretaria estadual de Saúde de São Paulo, na última sexta-feira, 26. Ao todo, foram 134 casos confirmados de contágio da doença. Em uma semana, quando foi divulgado o último balanço, o número de casos fatais cresceu 44,4%. Em 19 de janeiro eram 36 mortes.

 


Fonte Extra.com