17/02/2017 13:51:07 - Atualizado  em 17/02/2017 15:02:22

A+ A-

Médico relata em redes sociais superlotação em maternidade

  Arquivo Pessoal

Em janeiro deste ano, 915 crianças nasceram nos hospitais vinculados à rede municipal

Que a saúde em todo o Brasil está um caos, isso todos já sabem. Em Campos, por exemplo, uma maternidade com mais de 50 anos, atualmente possui 42 leitos credenciados do Sistema Único de Saúde (SUS), mas o número de pacientes internados chega a 83.

Na última terça-feira (14/02), o médico obstetra do Hospital Plantadores de Cana (HPC), Fernando Azevedo, fez um desabafo em uma rede social falando sobre o estado das maternidades de Campos e de como o trabalho se torna exaustivo sem uma devida estrutura.

O médico, que após a publicação teve mais de 300 curtidas na postagem em apenas algumas horas, realizou apenas nesta terça-feira, em um plantão de 12h, 13 partos. Em um dos trechos da postagem, o médico diz: “Como um obstetra pode se sentir exercendo suas atividades em uma maternidade de alto-risco que tem 100% de seus 42 leitos credenciados ao SUS e que no momento encontra-se com 83 pacientes internadas, somados a isso, por lei, cada paciente tem um acompanhante de livre escolha, ou seja, um local pensado para 40 indivíduos acolhe 160, exatamente o que vocês estão pensando é um cenário apocalíptico”, desabafou o obstetra.

O médico também citou outras maternidades como a Santa Casa de Misericórdia e a Sociedade Beneficência Portuguesa. “Alguns pela lógica devem estar pensando: transferem, mas pra onde? A maternidade da secular Santa Casa deixou fechar suas portas e a Sociedade Beneficência Portuguesa está trilhando o mesmo caminho com plantões sem obstetras, caminha a passos largos para o precipício”, disse Fernando.

O obstetra finalizou sua publicação falando sobre clima pesado no hospital. “A sobrecarga do HPC está levando nossa assistência à falência, a geração de conflitos é absurda, agora não só brigamos com as pacientes e familiares q não entendem a situação, agora já brigamos entre nós por estresse crônico, uma energia poderosa que deveria estar sendo toda ela dirigida pra redução das mortes e danos das gestantes e seus bebês, sendo perdida por causa de políticas públicas equivocadas, falta de sensibilidade e respeito às mulheres e crianças.”, finalizou.

NOTA DA SECRETARIA DE SAÚDE

O diretor de Auditoria e Controle e Avaliação da Secretaria de Saúde de Campos, Dr. Hélio da Cruz, informa que a Secretaria tem feito todo o esforço para suprir as demandas do Hospital Plantadores de Cana e que estas tem sido supridas na maternidade.

Ele explicou que não há uma regulação estadual específica dos leitos voltados para a obstetrícia, pois esse tipo de leito é considerado "vaga zero", isto é, sempre que chega uma gestante para o parto ela terá leito disponível. No geral, segundo Dr. Hélio, a adequação é feita através da mudança de característica do leito, de acordo com a necessidade. No caso da maternidade, Dr. Hélio diz que não chega a ser uma demanda reprimida.

Em janeiro deste ano, 915 crianças nasceram nos hospitais vinculados à rede municipal. Já em janeiro de 2016, o quantitativo foi de 794 nascidos.

A equipe do Site Ururau entrou em contato com a direção da Santa Casa de Misericórdia e da Sociedade beneficência Portuguesa, mas não obtivemos retorno nas ligações.


Fonte Ururau