14/04/2016 15:08:49 - Atualizado  em 14/04/2016 16:54:29

A+ A-

"Vamos evitar qualquer pré-julgamento", diz delegado sobre morte de analista judiciária

  Ururau

Vítima é esposa de um guarda municipal e trabalhava como analista judiciária

O delegado titular da 146ª Delegacia Legal de Guarus, Luíz Maurício Armond, concedeu uma entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira (14/04), para explicar alguns detalhes sobre a investigação da morte de Patrícia Manhães Gonçalves Mattos, de 41 anos, assassinada na noite dessa quinta-feira (13/04), no estacionamento do Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal (GCM), no Parque Boa Vista. A vítima é esposa de um guarda municipal e trabalhava como analista judiciária.

Armond explicou que assim que foi informado sobre o crime, foi ao Hospital Ferreira Machado, onde estavam o marido de Patrícia, um primo dele, que também é guarda, e o carro em que a vítima estava quando foi baleada.

"No hospital, já conversei com as duas pessoas que estavam no local do crime, o viúvo e um primo dele. Recolhi os celulares de ambos e periciamos o carro onde ela foi baleada, que também foi usado no transporte da mulher até o hospital. Na porta do veículo foi encontrado um projetil de calibre 38", contou o delegado.

Ainda de acordo com Armond, uma equipe da Polícia Civil também foi ao local do crime, onde houve perícia e testemunhas foram ouvidas.

"A hipótese que inicialmente nos chegou, foi a de latrocínio, o roubo seguido de morte, mas trabalhamos com todas as hipóteses. Pode ter sido um latrocínio? Sim. Pode ter sido execução? Também sim. Só vamos evitar ao máximo qualquer pré-julgamento. Pré-julgamentos podem afetar de forma muito negativa a vida particular das pessoas", explicou.

O delegado adjunto da 146ª DP, Pedro Emílio, que também participa da investigação, falou sobre a periculosidade de pré-julgamentos e divulgação de boatos, principalmente depois que duas armas foram apreendidas pela Civil, uma pistola na casa do marido da vítima e um revólver calibre 38 na casa do primo dele.

"A investigação policial tem como objetivo descobrir os fatos, a realidade. Vários boatos e  versões que já estão circulando pela cidade podem se mostrar fantasiosos. O crime aconteceu há menos de 24 horas, ainda é cedo para dar qualquer certeza. O que podemos garantir é que estamos trabalhando para apresentar a verdade dos fatos a todos", disse.

Sobre as armas apreendidas, Luíz Maurício informou que a pistola encontrada na residência do viúvo é totalmente legalizada e está com a documentação em dia. Já o revólver que estava na casa do primo dele, estava com a documentação atrasada.

Segundo o delegado, foram disparados de três a quatro tiros na vítima, e além do projetil encontrado na porta do carro, vestígios foram recolhidos no local do crime e no corpo da mulher.

"Desses três ou quatro tiros disparados, dois acertaram ela, sendo que somente um transpassou o corpo, próximo a face. O outro resvalou na nuca da vítima", explicou.

Armond finalizou contando que espera ter um resultado do confronto balístico e da análise residual do material coletado em cerca de 15 dias. "Nosso objetivo é apresentar uma resolução do crime para a sociedade", disse.


Fonte Ururau